Última Hora

No results found.

MGD nega protesto na Missa da Família

O Movimento Gay de Divinópolis (MGD) negou que esteja planejando um protesto para a próxima quarta-feira (17) durante a Missa da Família. Uma mensagem está circulando no WhatsApp alertando sobre a suposta manifestação. Um dos membros do MGD, Adan Pitter e o presidente da entidade negaram qualquer mobilização.

O movimento seria em protesto ao chamado para a missa que está circulando nas redes sociais. No banner com foto do Padre Chrystian Shankar há os dizeres “Ideologia de Gêneros: Um plano para destruir a família”. Nele ainda consta que a celebração, no Santuário de Nossa Senhora Aparecida, contará com a presença da juíza da Vara da Família, Andréa Barcelos.

Adan disse que o LGBT quer reconhecimento e valorização (Foto: Divulgação)

Adan disse que o LGBT quer reconhecimento e valorização (Foto: Divulgação)

Adan Pitter disse que o movimento tem interesse em participar da discussão sobre a aprovação da “questão de gêneros” no Plano Municipal de Educação, mas não com protestos. Segundo ele, o plano foi elaborado com ampla discussão e que não pode ocorrer um veto apenas por vontade de uma minoria.

Pitter que também é especializado em gênero e raça pela UFMG defendeu a “valorização e reconhecimento” da classe. Disse que a intenção é fomentar o debate nas escolas para combater o preconceito e a homofobia. Afirmou ainda que alguns grupos estão criando inverdades para atrair simpatizantes pela causa contra o LGBT.

A igreja entende que a “ideologia de gênero” é uma tentativa de afirmar para todas as pessoas que não existe uma identidade biológica em relação à sexualidade. Quer dizer que o sujeito, quando nasce, não é homem nem mulher. Como exemplo é citado que haverá apenas um banheiro nas escolas para meninos e meninas.

O representante do MGD rebate essa posição. Ele reforça que o plano não é uma lei que estabelece direitos ou deveres. Disse que a intenção é levar para a sala de aula as discussões sobre diversidade, isso inclui negros, deficientes e homossexuais. Afirmou ainda que não há nada acadêmico que trata sobre “ideologia de gêneros”.

Protesto

Padre Chrystian disse que não permitirá manifestações (Foto: Divulgação)

Padre Chrystian disse que não permitirá manifestações (Foto: Christyam de Lima)

Na mensagem que circula no WhatsApp é informada sobre o suposto protesto e também um “beijo gay”. Fala ainda que o policiamento será reforçado e haverá segurança interna. No final da tarde, Padre Chrystian Shankar gravou um áudio falando que as manifestações, caso ocorram, serão impedidas.

“Intransigentes que não gostam de ser contrariados e acham que tudo deve ser do jeito deles, não me venham aprontar na missa da família. Já chegou à Dr. Andrea ameaças de manifestação. A Polícia Militar está reforçada, os anjos da guarda já estão indicados para qualquer manifestação, porque não estamos em praça pública”, afirmou.

Nesta terça-feira (16) o prefeito Vladimir Azevedo dará uma coletiva para dar detalhes sobre o veto parcial. Também está prevista uma reunião entre os vereadores e Dr. Andréa Barcelos para falarem sobre o assunto.


 

Notícias relacionadas:

Prefeito sinaliza veto à questão de gêneros

Vereadores aprovam questões de gêneros sem perceberem

Bispo fala sobre ideologia dos gêneros


 

Sobre o Colunista

Amanda

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Pós-graduada em Marketing e Comunicação Integrada.

2 Comentários

  • Portal Centro Oeste | Credibilidade Online

    • Heber Cristiano Fonseca
      17 de junho de 2015

      Acho q não deve acontecer nenhum protesto, pq tanto os LBGS tem direitos como as famílias católicas e evangélicas têm o direito de ser melhor explicadas sobre o teor do tema… uma vez q no Brasil, tudo se faz como se deveria mas na realidade a massa só fica sabendo como algo funciona depois q nada pode ser feito para reverter… daí vem falar q não opinaram, não questionaram ou se mobilizaram. Se houver a retaliação msm é um grave sinal de q algo está errado, sim! Nosso país não vem demonstrando uma boa ética na política a tempos! Sobre o texto falar de uma “minoria”, não deve estar falando do lado dos religiosos pq o país tem 70% de cristãos q querem saber até onde esta Ideologia de Gêneros estará influenciando em suas crianças uma doutrina ou educação q não será aprovada por cada família brasileira. Dar direitos não quer dizer exatamente mudar a lei ou introduzir algo q não seja amplamente discutido comprovadamente demonstrado q foi discutido. Para mim tudo isto não está amplamente discutido com a massa da população…

      Reply

Deixe seu comentário

Captcha *