Última Hora

No results found.

Dá para comprar imóvel no meio da crise?

O setor imobiliário viveu um clico de alta entre 2008 e 2012. Durante este período bateu recordes de financiamentos de imóveis vendidos. O cenário começou a mudar em 2015 e este ano a construção civil entrou em alerta. A causa se resume em uma única palavra: crise. Apesar do desaquecimento, o momento pode ser propício para quem sonha com a casa própria.

A estabilização no preço dos materiais de construção e a mão de obra mais barata são dois fatores positivos para quem vai construir ou financiar o imóvel. Mas, é preciso ter atenção, analisar o orçamento, a documentação, avaliar o crédito antes de assumir o compromisso. Ah, e principalmente, verificar as taxas de juros para fechar um bom negócio.

“Se a pessoa pretende comprar uma casa para morar, construir este é um momento bom, porque os imóveis estão com queda no valor. O preço do material de construção está estabilizado e também houve redução no custo da mão de obra. Mas, é bom verificar as taxas de juros para saber se o momento ideal é mesmo o de agora ou se deve esperar um pouco mais”, explica o economista no Núcleo de Pesquisa da Faced, Leandro Maia.

Investimento

O prédio ficará na bairro Manoel Valinhas (Foto: Unique Engenharia)

O prédio ficará na bairro Manoel Valinhas (Foto: Unique Engenharia)

Para o engenheiro e sócio da construtora Unique Engenharia, Paulo Henrique este também é o momento para quem quer investir pensando a médio e longo prazo.

“A maior vantagem em se investir em imóveis hoje, é que com essa estabilização nos custos, quando houver o reaquecimento da economia (alguns analistas já preveem para 2º semestre de 2017), quem estiver com imóveis em condições de vender\alugar, sairá na frente”, afirma.

Para quem não tem pressa e quer investir a melhor opção, segundo o engenheiro, é comprar o imóvel na planta e de preferência executado na modalidade de administração.

“Essa modalidade tem o custo consideravelmente menor, visto

A cota do apto "tipo" sai a aproximadamente R$ 204 mil (Foto: Unique Engenharia)

A cota do apto “tipo” sai a aproximadamente R$ 204 mil (Foto: Unique Engenharia)

que o comprador, se torna um sócio do empreendimento. Nesse caso não há o fator lucro construtora, apenas o custo de administração de obra que é infinitamente menor”, explica e acrescenta: “Já o imóvel comprado na planta na modalidade convencional, a construtora vende um apartamento a ser executado ou em fase de execução, com isso ela remarca seu lucro em cima do custo da obra, que por muitas vezes, é balizado pelo mercado”.

“Quanto ao imóvel pronto, acredito que seja vantajoso somente em dois casos, se o comprador possuir extrema necessidade de se mudar ou caso o valor esteja bem abaixo do mercado”, acrescenta.

Na planta

Como exemplo, Paulo citou o empreendimento da Unique. Eles optaram pela modalidade de administração para a construção de um prédio residencial no bairro Manoel Valinhas. Já no lançamento do empreendimento eles conseguiram fechar seis das oito cotas. Agora há apenas dois apartamentos “tipo” de 94 metros quadrados. O investimento sai a R$ 204 mil e o valor pode reduzir durante a execução da obra que deve durar 30 meses. 

Contato Unique: (37) 98418-0881/ 99731-3268 (Ambos são whatsapp).

Sobre o Colunista

Amanda

Amanda Quintiliano é editora-chefe do Portal Centro-Oeste. Jornalista por formação e paixão. Pós-graduada em Marketing e Comunicação Integrada.

Deixe seu comentário

Captcha *